18 de maio

GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais GDF - Administrações Regionais
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
29/01/24 às 11h24 - Atualizado em 29/01/24 às 12h09

Estrutural entra na guerra contra o mosquito transmissor da dengue.

COMPARTILHAR

A meta do governo é diminuir os casos existentes e evitar que novos focos da doença surgem entre a população

Por Celso Alonso – Ascom-RA/SCIA

Foto - Celso Alonso/Ascom RA/SCIA

Foto – Celso Alonso/Ascom RA/SCIA

Na Estrutural, a medida do GDF em instalar tendas de hidratação para tratamento nos casos de dengue está trazendo alívio para os moradores. Em média são atendidas 80 pessoas por dia que apresentam sintomas da doença e 10 profissionais estão trabalhando em esquema de plantão, entre bombeiros e da saúde.

Os atendimentos na tenda de hidratação da Estrutural são realizados de segunda a domingo, sempre das 7 às 18 horas e nos casos mais graves, os pacientes são encaminhados para hospitais ou unidades de saúde especializados.

Foto – Mila Ferreira – Correio Braziliense

 

 “Infelizmente essa é uma questão cultural na cidade, o trato com o lixo e entulho é feito sem qualquer cuidado, aonde uma parcela da população descarta desenfreadamente lixo e entulho pelas vias sem o menor pudor.”

 

De acordo com o administrador da cidade, Alceu Prestes de Mattos, os casos na cidade se dão principalmente devido ao descarte desenfreado de lixo e entulho pelas vias, bem como a falta de cuidado de alguns moradores na limpeza dos seus lotes. “Infelizmente essa é uma questão cultural na cidade, o trato com o lixo e entulho é feito sem qualquer cuidado, aonde uma parcela da população descarta desenfreadamente lixo e entulho pelas vias sem o menor pudor.”

Outro ponto enfocado por Mattos é em relação do asseio de alguns lotes. “Muitos moradores sobrevivem da reciclagem e assim depositam todo tipo de material em suas residências, não tomando os devidos cuidados em relação a evitar o surgimento de criadouros do mosquito transmissor da dengue. Existem casos na cidade de moradores que transformaram suas residências em verdadeiros depósitos de lixo e entulho, os chamados acumuladores, onde tivemos que solicitar a intervenção de outros órgãos para efetuar a limpeza desses e evitar assim, o surgimento de novos focos do mosquito transmissor da doença.”

Foto: Gerson klaina

Para evitar a proliferação do mosquito transmissor da dengue a melhor maneira é a prevenção, eliminando água armazenada que pode se tornar possíveis criadouros, como em vasos de plantas, poças de água, pneus, garrafas plásticas e até mesmo em recipientes pequenos, como tampas de garrafas.

Roupas que minimizem a exposição da pele durante o dia quando os mosquitos são mais ativos proporcionam alguma proteção às picadas e podem ser uma das medidas adotadas, principalmente durante esse período em que o Distrito Federal decretou situação de emergência. Repelentes e inseticidas também podem ser usados, seguindo as instruções do rótulo. Mosquiteiros proporcionam boa proteção principalmente aos bebês, pessoas acamadas e trabalhadores noturnos.

O importante mesmo para prevenir a dengue é seguir todas as orientações abaixo, por isso é fundamental e essencial a participação consciente e diária de toda a população:

  • Não deixe água parada, desfaça de locais onde o mosquito nasce e se desenvolve, isso evita a sua procriação;
  • Deixe sempre bem tampados e lave com bucha e sabão as paredes internas de caixas d'água, tambores de água ou tonéis, cisternas, jarras e filtros;
  • Não deixe acumular água em pratinhos de vasos de plantas e xaxins. Coloque areia fina até a borda desses pratinhos;
  • Plantas que possam acumular água devem ser tratadas com água sanitária na proporção de uma colher de sopa para um litro de água, regando no mínimo duas vezes por semana. Tire sempre a água acumulada nas folhas;
  • Não junte vasilhas e utensílios que possam acumular água (tampinhas de garrafa, cascas de ovo, latinhas, saquinhos, embalagens plásticas e de vidro, copos descartáveis, etc.) e guarde garrafas vazias de cabeça para baixo;
  • Entregue pneus velhos em local apropriado e caso precise mantê-los, guarde-os em local coberto e protegido;
  • Deixe a tampa do vaso sanitário sempre fechada. Em banheiros pouco usados, dê descarga pelo menos uma vez por semana;
  • Retire sempre a água acumulada da bandeja externa da geladeira e lave com água e sabão;
  • Sempre que for trocar o garrafão de água mineral, lave bem o suporte no qual a água fica acumulada;
  • Lave e troque a água dos bebedouros de aves e animais no mínimo uma vez por semana;
  • Limpe frequentemente as calhas e a laje das casas e caso utilize cacos de vidro sobre o muro, coloque areia para que possa evitar o acumulo de água;
  • Mantenha a água da piscina sempre tratada com cloro e limpe-a uma vez por semana. Se não for usá-la, evite cobrir com lonas ou plásticos;
  • Mantenha o quintal limpo, recolhendo o lixo e detritos em volta das casas, limpando os latões e mantendo as lixeiras tampadas. Não jogue lixo em terrenos baldios, construções e vias públicas. Acione o serviço de manutenção sempre que necessário;
  • Permita sempre o acesso do agente de controle de zoonoses em sua residência ou estabelecimento comercial.

 

Foto – Celso Alonso/Ascom RA/SCIA

 

A Administração Regional realiza diariamente ações de combate ao mosquito transmissor da dengue, bem como de outras doenças, aonde são recolhidas em média, 50 toneladas de entulho e inservíveis. Além disso, em parceria com a Novacap é realizada, diariamente, desobstrução de bocas de lobo e recuperação das redes de águas pluviais.

 
Foto – Sandro Araújo/Agência de Saúde-DF
 
Ações dos agentes de vigilância ambiental também são rotina na Estrutural. Entre as ações estão visitas em residências promovendo a conscientização dos moradores e nos casos da identificação de criadouros, são aplicados produtos eficazes na eliminação desses. Além disso, o carro do fumacê está percorrendo todas as ruas e avenidas da cidade.
 

Foto – Sandro Araújo/Agência de Saúde-DF

A limpeza não se restringe somente às residências. É importante ficar atento a possíveis focos de água parada em escolas, no trabalho e em outros locais frequentados diariamente. Com a adoção dessas medidas evita-se a proliferação do mosquito transmissor e das consequências que a doença pode causar, entre os quais o risco de morte.

Mapa do site Dúvidas frequentes